Número 1 no Reino Unido em 1996, e de 1999 a 2005, Tim Henman é um dos tenistas britânicos de maior sucesso. Originário de uma família de tenistas (seu avô, sua avó e sua bisavó jogaram em Wimbledon), o caçula de três irmãos começou jogar antes de completar três anos. O sucesso chegou rapidamente para Henman: depois de ter perdido na primeira rodada de Wimbledon em 1994, ele venceu pela primeira vez uma partida do Grand Slam® no ano seguinte. Ele disputou quatro semifinais em Wimbledon. No entanto, a primeira vez que ele viu as quadras de Wimbledon remonta a muitos anos, um dia que nem ele, nem sua mãe poderiam esquecer. Neste mesmo dia, ele descobriu a Rolex.

Eu me lembro de cada detalhe do dia em que visitei Wimbledon pela primeira vez, em 1981. Eu poderia até descrever o que estava vestindo. Era uma segunda-feira, dia de abertura do campeonato, eu tinha 6 anos. Minha mãe e eu tivemos a sorte de encontrar dois lugares na Quadra Central. Quando Björn Borg, que defendia o título pela quinta vez, entrou na quadra, fiquei impressionado. Acho que o que mais me impressionou foi vê-lo ganhar! Para uma criança, é muito mais divertido apoiar alguém que está ganhando, então, ele foi meu primeiro ídolo do tênis. Foi aí que tomei a única decisão que guiou mnha carreira. Eu sonhava em jogar em Wimbledon.

Eu venho de uma família de tenistas, minha mãe era tênista júnior, meus avós jogaram em duplas mistas em Wimbledon e até a minha bisavó jogou lá no início dos anos 1900. Minha bisavó foi a primeira a servir por cima e minha avó foi a última a servir por baixo em Wimbledon.

Eu não sei ao certo se meus pais acreditavam que eu poderia ser um bom tenista, mas eles queriam me dar uma oportunidade, pois viam o quanto o tênis significava para mim.

Como eu era o menor, o mais fraco e o mais lento da minha família, tive que aprender a competir para poder acompanhá-los. Eu não sei ao certo se minha mãe e meu pai acreditavam que eu poderia ser um bom tenista, mas eles queriam me dar uma oportunidade, pois viam o quanto o tênis significava para mim, como eu era apaixonado por este esporte. Meu ambiente familiar foi o fator determinante para o meu crescimento pessoal.

Quando finalmente tive a oportunidade de jogar em Wimbledon, fiquei muito entusiasmado. Eu mal podia esperar para chegar lá, queria me divertir, tinha me preparado muito bem para aquele momento. Toda vez que eu entrava na quadra, era como se me tornasse novamente aquele garoto de seis anos que tinha um sonho.

Foi naquele dia de 1981 que vi pela primeira vez um relógio Rolex na Quadra Central e perguntei à minha mãe o que era Rolex. Pela primeira vez desejei e tive a esperança de um dia ter o meu próprio Rolex. Trinta e dois anos mais tarde, finalmente pude comprar meu primeiro Rolex, este que estou usando. Ele significa muito para mim, valeu a pena esperar.

Foi naquele dia de 1981 que vi pela primeira vez um relógio Rolex na Quadra Central e perguntei à minha mãe o que era Rolex.

Quando olho para meu relógio, na minha mente volto a ser o garoto de 6 anos sentado na arquibancada com a minha mãe. Ela tem fotos daquele dia e creio que ainda temos os ingressos em casa. Quando me perguntaram se eu gostaria de contar alguma história sobre o meu relógio, eu contei para ela e perguntei: “Você se lembra?” E ela respondeu: “Me lembro como se fosse ontem”.

O relógio de Tim Henman

O Oyster Perpetual Milgauss

Compartilhe esta página