Embaixador Rolex desde 1994, David Doubilet é um dos mais renomados fotógrafos subaquáticos do mundo. Após publicar seu primeiro artigo na National Geographic em 1971, ele rapidamente passou a ser considerado um dos principais fotógrafos da revista. A lente de David Doubilet capturou todos os mares do planeta. Essas imagens excepcionais contribuem para a fascinação do público pelo oceano e suas criaturas, promovendo ao mesmo tempo a sua preservação. Seu relógio Rolex, que o acompanha há mais de 50 anos de aventura, esteve presente em cerca de 27.000 horas de experiências subaquáticas únicas.

 

 

Para mim, exploração significa ir a algum lugar e descobrir algo novo. Minha esposa, Jennifer Hayes, e eu achamos que a exploração implica retornar com uma imagem para abrir os olhos das pessoas para o mar - isso é a exploração. Vivemos em um planeta composto principalmente por água, isto significa que existe um mundo alternativo que é belíssimo e incrivelmente complexo. Também é um mundo onde o peso não existe, e lá pode-se sonhar, porém são sonhos reais.

Quando comecei a mergulhar, cada mergulho era uma viagem rumo à descoberta. Hoje, estamos documentando um tempo e um lugar e um oceano em rápida transformação. É aí que a fotografia entra em cena: ela serve para abrir os olhos das pessoas para a beleza do oceano e para o fato de que ele é o motor do nosso planeta.

Comecei a me apaixonar pela exploração aos oito anos, durante um acampamento de verão nas montanhas Adirondack. Coloquei uma máscara, mergulhei em um pequeno lago e, desde então, minha vida mudou. Eu vi raios de luz verde com peixinhos nadando entre eles... Me lembro disso até hoje.

Cresci em Nova York, que não era exatamente o berço da fotografia subaquática, mas eu sonhava em ser fotógrafo da National Geographic. Trabalhar para a National Geographic é a melhor janela para o mundo; e depois de 70 publicações, posso dizer que vi uma grande parte de nosso mundo subaquático. Isso me proporcionou uma preciosa experiência de vida.

 

Trabalhar para a National Geographic é a melhor janela para o mundo; e depois de 70 publicações, posso dizer que vi uma grande parte de nosso mundo subaquático. Isso me proporcionou uma preciosa experiência de vida.

As ferramentas mais importantes para tirar fotos subaquáticas são a curiosidade, uma insaciável curiosidade, e a luz, é claro. Em seguida, o equipamento, que não se limita a caixas subaquáticas, mas inclui também o relógio Rolex.

Eu tinha 16 anos quando comprei meu primeiro Rolex, e sempre usei um Rolex durante toda a minha carreira na National Geographic. Lembro-me que o capitão Jacques Cousteau e Luis Marden, meu herói na National Geographic, também usavam um Rolex. A época e o lugar em que comprei meu primeiro Rolex marcaram minha vida. Eu era mergulhador do laboratório da Marinha e precisava de um relógio. O relógio que eu tinha antes vivia cheio d’água, como um aquário! Ele nunca funcionou direito. Rolex era o principal relógio subaquático, e estávamos em 1962. Eu não tinha dinheiro para comprar o relógio com a pulseira, então perguntei: “Posso comprar apenas o relógio?” Me disseram que sim. Me venderam o relógio com uma pulseira de borracha. Dois anos depois, consegui comprar uma pulseira. Este Rolex já está no meu pulso há 56 anos.

O relógio que eu tinha antes vivia cheio d’água, como um aquário! Ele nunca funcionou direito. Rolex era o principal relógio subaquático, e estávamos em 1962.

Vivemos em um mundo movido a bateria, mas embaixo d’água, um relógio mecânico é como um paraquedas para mim. Eu já tive computadores que falharam, mas o Rolex nunca falhou. Sempre foi pontual. Recentemente, levei um computador em uma descida de 45 metros com oxigênio, em um mergulho para visitar o naufrágio de um avião japonês recentemente descoberto nas Filipinas. O computador parou, mas o relógio continuou funcionando.

O Rolex que estou usando agora é um Deepsea, e ele é tão importante para mim quanto foi aquele primeiro Rolex. É um relógio que carrega todo tipo de histórias com ele. Eu jamais mergulharia sem o meu Rolex. O tempo embaixo d’água é muito precioso, às vezes até mais precioso do que a luz, às vezes tão precioso quanto o ar. É um dia inteiro condensado em minutos e segundos. Seu relógio precisa ser extremamente preciso. Sua vida depende dele.

Este Rolex já está no meu pulso há 56 anos.

Ele me traz muitas lembranças inesquecíveis. Vimos destruição e mudanças, mas também vimos a esperança. Acho que faz parte da tradição e do compromisso da Rolex levar seus relógios, exemplos extraordinários de tecnologia mecânica, ao mundo real de difícil acesso: os mares mais profundos e gelados e as mais altas montanhas. Para mim, nadar com um Rolex nas águas geladas do Oceano Ártico ou nos mares quentes dos trópicos da Papua Nova Guiné, esses são lugares aonde o tempo precisa ir – e a Rolex está lá.

O RELÓGIO DE DAVID DOUBILET

Oyster Perpetual Rolex Deepsea

Compartilhe esta página