Annika Sörenstam é a melhor golfista de todos os tempos. Com 89 vitórias em torneios internacionais e 10 Majors, ela estabeleceu um novo padrão para as gerações futuras. Annika Sörenstam é o exemplo vivo de uma estrela praticamente imbatível, uma força da natureza e um modelo de resistência mental e física. Seus dois relógios Rolex contam a história dos 20 anos de sua excelência no esporte.

Eu não sei explicar a razão do sucesso tão precoce em minha carreira, pois eu não era necessariamente a mais alta, a mais forte ou a mais rápida. Existem muitos segredos para se tornar um campeão. Acredito que primeiro é ser verdadeiro consigo mesmo. O segundo é gostar de verdade do que se faz. O terceiro é trabalhar duro. Como meu pai me disse há muito tempo, não existem atalhos para o sucesso. A coisa mais bonita que o golfe me ensinou foi ser paciente. Você pode até acertar um buraco, mas no golfe jogamos com 18 buracos! Ser bom em algo leva tempo e é preciso sempre se dedicar e encontrar diferentes maneiras de melhorar suas habilidades. O golfe não é só físico, é também mental — é preciso acreditar e confiar em si mesmo.

Em 1994, eu fui nomeada Rolex Rookie of the Year da LPGA, parece que foi ontem. Naquele ano, percebi que estava certa quando decidi me tornar profissional. Finalmente, eu estava no palco mais importante, no maior circuito mundial feminino. É, sem dúvida, algo muito prestigioso. Todas as vencedoras do Rolex Rookie of the Year construíram grandes carreiras: Nancy Lopez, Pat Bradley… inúmeras golfistas passaram por lá. O ano de 1995 foi repleto de mudanças, eu venci torneios e ganhei o título de Rolex Player of the Year. Mas é preciso sempre ter um ano como aquele [1994] a fim de se preparar para o seguinte.

Foi naquela época que comprei um Datejust. Até então, eu só tinha visto este relógio em revistas, meus pais nunca tiveram um, então foi uma compra muito especial. Eu ainda o tenho.

Eu fiquei orgulhosa de usar meu primeiro Rolex, era como plantar uma semente para o futuro. O relógio foi o início da parceria com a Rolex, o ponto de partida da minha carreira. Não foi apenas o início da minha história com o relógio, mas também o das lembranças, da parceria e das experiências. Eu percebi que não se pode antecipar nem comprar experiências, mas apenas vivê-las.

Eu comprei outro Datejust exatamente 20 anos após primeiro. Se ele tivesse um passaporte, hoje estaria cheio de carimbos.

Eu mandei gravar atrás do relógio: “20 anos com a Rolex”. Esta frase resume toda a minha carreira, desde o prêmio Rookie of the Year até o Player of the Year, minhas outras vitórias e a minha entrada para o Hall of Fame.

Eu comprei outro Datejust exatamente 20 anos após primeiro. Se ele tivesse um passaporte, hoje estaria cheio de carimbos.

Ele me faz lembrar da carreira que jamais pensei ter. Acho que ele representa as minhas recordações, o caminho que percorri e o apoio que recebi.

OS RELÓGIOS DE ANNIKA SÖRENSTAM

Oyster Perpetual Datejust

Compartilhe esta página